As mudanças sociais e epidemiológicas e a necessidade de uma forte atenção primária

8 Mai

Nos últimos cinquenta anos, a sociedade, a tecnologia e a medicina têm transformado radicalmente e por isso os sistemas de saúde não podem ser os mesmos que de tempos passados. A prevalência da doença mudou, não só em quantidade, mas em qualidade. Como por exemplo, os problemas de saúde não se somam, mas se multi p l icam ent re s i . Assim, a “carga da doença” provoca a potencialização do uso de serviços para cada problema multi p l icado pela presença concomitante de out ros problemas (agudas e crônicas). O que fazer? A solução é um cuidado primário de qualidade, muito “forte ” , capaz de fornecer serviços variados aos pacientes bem conhecidos. Assim, o médico de cuidados primários (médico da família) é o que ajuda o paciente a usar corretamente os recursos dos especiali s tas focai s (ambulatórios, pronto-socorro e hospita l ) . Sendo racional, o benefício é proporcional ao dano. Cuidado primár io forte é muito acessível e flexível , muito versátil , oferece longitudinalidade (serviços variados ao longo do tempo, em uma relação pessoal) e é capaz de coordenar os serviços de especialistas focais .

As mudanças sociais e epidemiológicas e a necessidade de uma forte atenção primária. Gérvas J. UNIMED-VITORIA. Brasil. Abril 2014.  Descargar aquí artigo completo.